Fallo de los métodos, equipos y consumibles eléctricos

Fallo de los métodos eléctricos, causas y prevención

Introducción

Los métodos, equipos y consumibles eléctricos están sujetos a fallos que pueden provocar la destrucción total de los equipos y un corte de energía extremo.

Por ello, deberás conocer las causas más importantes de estas averías, sus sanciones y los procedimientos y comprobaciones a realizar para averiguar por qué han fallado las herramientas o sus suministros.

Este artículo no pretende ser un documento exhaustivo, pero hemos intentado mencionar la mayoría de las causas típicas de los fallos {de los métodos, equipos y suministros eléctricos}.

Además, es esencial tomar las medidas adecuadas para evitar estos fallos.

Este artículo se refiere a los requisitos mundiales, que tienen una mayor utilidad, sin embargo los nacionales o europeos (ES) incluso se debe pensar en cualquier momento cuando lo exija el Propietario o las leyes nacionales.

Implica el tiempo entre fallos (MTBF)

Para comprender mejor los fallos de los equipos y suministros y el mecanismo de estos fallos es imprescindible conocer la idea de Implica el tiempo entre fallos (MTBF) que se utiliza para juzgar la fiabilidad de los equipos.

MTBF es el tiempo transcurrido esperado entre fallos inherentes a un sistema a lo largo de su funcionamiento, y puede calcularse porque el la aritmética implica el tiempo (común) entre fallos de un sistemay a menudo forma parte de un simulacro que supone que el sistema que ha fallado se repara inmediatamente (Implica el tiempo de restauración, o MTTR), como parte de un curso de renovación.

Se trata de una distinción para el Implica el tiempo hasta el fracaso (MTTF), que mide tiempo común a los fracasos con la hipótesis de modelización de que el sistema fallido no debe ser reparado (tiempo de restauración infinito).

La definición de MTBF depende de la definición de lo que se considera un fallo del sistema.

Para los métodos avanzados y reparables, se considera que los fallos son circunstancias ajenas al diseño que ponen el sistema fuera de servicio y en estado de restauración.

Los fallos que se producen y que pueden dejarse o mantenerse en una situación irreparable, y que no ponen el sistema fuera de servicio, no se consideran normalmente como fallos según esta definición.

Además, los elementos que se retiran para el mantenimiento rutinario o la gestión de existencias no suelen considerarse dentro de la definición de fracaso.

MTBF describe el tiempo esperado entre dos fallos para un sistema reparable, mientras que MTTF denota el tiempo esperado hasta el fallo de un sistema irreparable.

Por ejemplo, tres métodos equivalentes empiezan a funcionar correctamente en tiempo 0 funcionan hasta que todos fallan. El sistema primario ha fallado en 100 horasel segundo falló en 120 horas y el tercero fracasó en 130 horas.

O MTBF del sistema es el común de los tres casos de fallo, que es 116.667 horas. Si los métodos son no reparableentonces tu MTTF puede ser 116.667 horas.

En general, MTBF es el «tiempo de actividad» entre dos estados de fallo de un sistema reparable en el transcurso del funcionamiento, que se puede observar en la Determina 1.

Representación del MTBF
Figura 1 – Ilustración del MTBF

Para cada declaración, el «detener el tiempo» es el tiempo instantáneo en el que bajó, que es posterior (es decir, mejor) al segundo en el que subió, el «tiempo de funcionamiento«. La distinción («tiempo de parada» menos «tiempo de subida») es el periodo de tiempo que ha transcurrido entre estas dos ocasiones.

Una vez que el MTBF de un sistema, se puede calcular la suposición de que cualquier sistema explícito puede estar operativo en un tiempo igual al MTBF.

Este cálculo requiere que el sistema funcione dentro de su «intervalo de vida útil«, que se caracteriza por un precio de fracaso relativamente fijo (el centro de una parte del «curva de la bañera«) cuando sólo se producen fallos aleatorios. Bajo este supuesto, cualquier sistema explícito sobrevivirá a su cómputo MTBF con una hipótesis de 36.8% (es decir, fallará antes que con un 63,2% de posibilidades). Lo mismo ocurre con MTTF de un sistema que funciona en este intervalo de tiempo

O curva de baño se utiliza mucho en la ingeniería de la fiabilidad. Describe un tipo seleccionado de actuación de peligro que incluye tres componentes:

La primera mitad es un precio reducido de fracaso, denominado fracaso temprano. La segunda mitad es un precio de fallo continuo, denominado fallo aleatorio. La tercera mitad es un precio de fracaso creciente, denominado fracaso por desgaste.

El título deriva de la forma transversal de una bañera.

Curva de la bañera
Determina 2 – Curva de la bañera

MTBF la previsión del valor es un aspecto crucial dentro del crecimiento de las mercancías. Sin embargo, es incorrecto extrapolar MTBF para proporcionar una estimación de la vida útil de una pieza, que normalmente puede ser mucho más corta que la aconsejada por el único MTBF debido al gran aumento de las cargas de fallo en el «final de la vida» de una parte de la «curva de la bañera».

MTBF es la suma de los intervalos de funcionamiento dividida por el rango de fallos anotados. Si el tiempo de inactividad (con área) se refiere al inicio del tiempo de inactividad (con área fuera) y el tiempo de subida (con área) se refiere al inicio del tiempo de subida (con área fuera), los componentes pueden ser:

Fórmula MTBF

O MTBF se denota comúnmente con la letra griega θo «MTBF = θ«.

Información típica del productor para MTBF de los transformadores sumergidos en aceite son 30 añosaunque la experiencia demuestra que los transformadores podrían haber aumentado MTBF y una vida útil de unos 50 años, o mucho más.

En EE.UU., un transformador de potencia de 100 MVA de [1945 e um 75 MVA transformador de energia datado de 1954 tinham sido descobertos a funcionar em boas circunstâncias, e além disso na Europa foram registados casos comparáveis.

Em linha com IEEE (Institute of Electrical and Digital Engineers (EUA) normal 493-1990 o preço de falha (falhas por Unidade-Yr) é:

  • Idade 1-10 anos: 0.0072 («mortalidade infantil»)
  • Idade 11-25 anos: 0.0053
  • Idade > 25 anos: 0.0060 (envelhecimento)

Tempo de vida financeira de uma instalação também poderia ser delineada como «o tempo desde a montagem até um cenário o local onde a manutenção anual e as ferramentas provocaram a interrupção dos preços excede o preço anual com desconto para as novas ferramentas de marca”.

Melhorias técnicas em novas ferramentas poderiam reduzir de forma tão adequada os tempo de vida financeira das ferramentas actuais se o tempo de paragem geral for reduzido e as perdas de produção diminuírem

Curva típica de tempo de vida económica
Determina 3 – Curva de tempo de vida financeira típica

Principais Causas de Falhas

Além de puro envelhecimento de suprimentos e causas surpreendentes (ventos muito fortes, queda de madeira, acções de animais, relâmpagos, funcionamento sob circunstâncias transitórias extremas, mau funcionamento dos métodos de segurança, escavações descuidadas, blackout de comunicações, vandalismo, etc.), existem várias causas (Excluindo as figuras 1 a 3, 6, 7 e Determinar 9 (esquerda), todas as figuras deste artigo exemplificando defeitos em obras e procedimentos correspondem a condições factuais), que isoladamente ou misturadas, podem resultar em falhas nos métodos eléctricos, equipamentos e fornecimentos.

Entre estas causas terás de dar ênfase:

  • Erros de design e especificações de equipamentos e suprimentos deficientes.
  • Erros e deficiências de fabrico de equipamentos e suprimentos.
  • Pacote impróprio, lidar com e transportar.
  • Armazenamento inapropriado.
  • Equipamentos e suprimentos com erros e deficiências de montagem.
  • Unidade de Fabrico Verificações de Aceitação (GORDO) e Cheques de Aceitação de Website (SAT) não realizado ou não realizado de acordo com os requisitos relevantes e nunca testemunhado pelo consultor Proprietário.
  • Uso impróprio de equipamentos.
  • Impropriedade ou falta de manutenção.

A perícia mostra que transformadores de energia, cabos (juntamente com juntas e terminações), equipamentos de tensões aéreas (isoladores, braçadeiras, conectores, etc.) e construções metálicas, que se assemelham a pólos de tensões aéreas, ajudas de equipamentos de tensão excessiva, tanques de transformadores e postes de iluminação, são provavelmente os equipamentos e fornecimentos mais afectados por falhas resultantes das causas acima referidas.

A maioria dos fracassos acaba por resultar de sobreaquecimento de equipamentos e suprimentos o que causa o ponto fraco ou falta de propriedades mecânicas, corporais e/ou químicas destes fornecimentos, o que resulta em envelhecimento intempestivo, cenário que é significativamente delicado para materiais de isolamento que podem perder o seu propriedades dieléctricas.

A perda das propriedades dieléctricas das fontes de isolamento resultará em curto-circuitos dentro da instalação.

No entanto, falhas de diferentes equipamentos e suprimentos por estas causas não devem ser descuidadas e até deve ser pago uma consideração seleccionada ao mecanismo de funcionamento de disjuntores de média e excessiva tensão, isoladores e contactores, motores e painéis de energia e gestão de cablagem.

Apesar de todo o tipo de instalações falharem, e de cada vez que uma falha acontece, uma investigação deve ser levada a cabo, um cuidado particular deve ser tomado com a vegetação energética, as subestações aéreas e a vegetação industrial, considerando a complexidade dessas instalações, que os perigos para a vida humana são maiores e que as perdas de capital são maiores quando ocorre uma falha surpreendente.

Provavelmente as causas mais normais de falhas e as suas penalizações típicas são brevemente analisadas nos Capítulos 4 a 11 deste artigo.

Especificação de Erros de Design & Equipamentos e Suprimentos Pobres

Os erros de design também podem ser uma consequência de erros incorrectos, informação inadequada e/ou incompleta sobre o características, o ciclo de obrigações e o funcionamento antecipado da instalação, oferecido pelo Proprietário. O design não vai ser executado apropriadamente, os cálculos podem ser imprecisos e os equipamentos não vão ser correctamente escolhidos e especificados.

Por exemplo, uma informação defeituosa em relação ao natureza e traços do solo irá conduzir a um erro de cálculo das fundações de pólos de tensão suspensa e aumentando as hipóteses de colisão de construções metálicas.

Ao dimensionar equipamentos, especificamente, disjuntores e unidades de comutação, transformadores de energia, motores e parte transversal de cabos (isolados ou nus) e barramentos, um erro de cálculo pelo designer (energia necessária, correntes de serviço, correntes de curto-circuito, problemas de energia, e assim por diante.), por causa do uso de instrumentos de cálculo inadequados ou uma análise deficiente da informação que se pode obter pode desencadear uma sobrecarga eterna destes equipamentos, que acaba em sobreaquecimento e avaria dieléctricaou a destruição de equipamentos, no caso de eles não consegue fazer frente a tensão térmica e electromecânica de curto-circuito.

É sabido que circunstâncias envolventes (temperatura e humidade relativa), poluição do ara presença de corretores corrosivos (salina e industrial) e fontes de calor, altitude e a forma como os equipamentos são colocados em impactos propriedades mecânicas, corporais e químicas da eficiência dos fornecimentos e ferramentas. Se estas circunstâncias pudessem ser desconsiderado em fase de designem última análise, os equipamentos e as suas provisões irão falhar.

Um definição inadequada do sistema de segurançanão considerando os traços do cenário e o carácter das falhas alcançáveis, e um coordenação incorrecta e selectividade de segurança examinar são uma fonte de alimentação eterna {de falhas eléctricas} de métodos e equipamentos.

Quando te preparares especificações técnicasse não houver uma definição incompleta dos traços dos equipamentos, uma ausência de detalhes sobre as circunstâncias de trabalho dos equipamentos e a falta de definição de requisitos e leis de cablagem relevantesexiste uma ameaça excessiva de utilização de suprimentos e procedimentos de fabrico inadequados. Por isso, a hipótese de falhas de equipamentos e de fornecimentos também pode ser excessiva.

Erros e Deficiências de Fabrico de Equipamentos e Consumíveis

Mesmo em produtores certificados e autorizados com instalações que satisfaçam todas as necessidades, podem ocorrer erros e deficiências de fabrico.

Uma série de componentes contribuem para estes erros e deficiências e para acelerar os equipamentos com a sua correcção; a maioria dos componentes típicos para tal cenário são:

  • Fabricar ferramentas e instrumentos de máquina envelhecidos e tecnologicamente desactualizados e nunca mantidos correctamente.
  • Processos e procedimentos de fabrico desorganizados e incorrectos.
  • Pessoal não qualificado e nunca certificado.
  • Não observância de requisitos relevantes.
  • Utilização de materiais de baixa qualidade ou de baixa qualidade.
  • Falta de um Sistema de Administração de Alta Qualidade e má ou falta de uma gestão de alta qualidade.

Um erro de fabrico que, infelizmente, é bastante mais generalizado do que os fascinantes são defeitos em processos de soldadura (É endossado que a alta qualidade da soldadura por arco eléctrico deve estar de acordo com os requisitos seguintes EN ISO 3834, EN ISO 15609-1, EN ISO 17635:2023, EN ISO 17636-2:2023 e EN ISO 17640:2023) que se assemelha a existência de fissuras ou fendas, porosidades, fusão incompleta do fio de soldadura, existência de escoriações/detritos, áreas afectadas por causa da soldadura sobre a temperatura e heterogeneidade do fio de soldadura (Este tipo de erro também pode ser generalizado nos trabalhos do website); Determinar 4 exibe alguns destes defeitos.

A consequência desses defeitos é ponto fraco de resistência mecânica da construção metálica que pode resultar em falhas extremas.

Porosidade de soldadura (esquerda) e heterogeneidade do cordão de soldadura (direita)
Determinar 4 – Porosidade de soldadura (esquerda) e heterogeneidade do fio de soldadura (próprio)

Quando tais condições acontecem, é obrigatório para verificar toda a soldadura utilizando ultra-sónico (Ultrasónico inspecção faz uso de ondas sonoras de frequência excessiva para realizar exames e fazer medições) (NDT = cheque não destrutivo) metodologia devido à precisão da informação, ou seja, a profundidade de penetração para detecção ou medição de falhas/falhas é superior a diferentes NDT estratégias.

Uma outra desvantagem presente nos processos de fabrico é que ferro e metal utilizado no fabrico não teria o características requeridas e um preparação e revestimento incorrectos do chão de itens metálicos, quer seja ou não galvanização por imersão a quente, galvanização a frio ou retrato final após galvanização (É endossado que os traços metálicos para construções e superfícies metálicas que protegem o revestimento e o retrato final devem estar de acordo com os requisitos seguintes EN 10027; EN 1090-1; EN 10051; EN ISO 14713-2; EN ISO 12944-5; ISO 2063)

Um exemplo de cenário de revestimento de piso incorrecto representado em Determinar 5.

Defeitos do revestimento superficial
Determinar 5 – Defeitos do revestimento do chão

Os erros frequentes na galvanização por imersão a quente são selecção e desengorduramento defeituosos do chão, pobre limpeza do chão e inadequado espessurass de revestimento de zinco (Em linha com os requisitos relevantes a espessura do revestimento de zinco conta com sobre a agressividade do ambiente e do tipo e dimensões de perfis metálicos utilizados no decurso do fabrico de).

Selecção e desengorduramento defeituosos do chão e má limpeza do chão irá baixar a aderência de revestimento de zincoresultando em corrosão da peça metálica Espessura inadequada do revestimento de zinco vai permitir arredores e diferentes corretores perigosos acelera o perda de segurança contra a corrosãono entanto, deve ser famoso que um quantidade extrema de zinco diminui a aderência do revestimento protector (de acordo com a literatura especializada a quantidade de zinco deve ser ≤ 1,500 gZn / m2 ).

Quando retrato final após galvanização estiver terminado, se um limpeza e desengorduramento do chão deficiente e/ou o uso de solventes inadequados ou não benéficos pelo produtor da tinta, tinta pode ter um baixa aderênciaisto significa que vai para descasca a tinta, acelerando corrosão da peça metálica.

Aperto inadequado de parafusos e porcasespecificamente em equipamentos sujeitos a vibrações e máquinas rotativaspoderia desencadear desatarraxar e desatarraxar parafusos e porcas essa ameaça a destruir equipamentos.

É bastante comum que muitos itens de fabrico, para reduzir os preços de fabrico, não usem produtos de baixa qualidade ou de baixa qualidade e não cumpram os requisitos relevantes. Alguns exemplos deste caso são:

  • Erros de fabrico de fornecimentos fornecidos por outros e nunca geridos pelo produtor de ferramentas (Este caso é uma consequência directa da falta de um Sistema de Administração de Alta Qualidade) (exemplo: curso de forjamento defeituoso de).
  • Os traços mecânicos normalmente não estão de acordo com o stress previsto do tecido do que podem resultar em fadiga mecânica inoportuna.
  • Uso de metal com baixa resistência à corrosão (exemploaISI 420 de metal) e com maior conteúdo de carbono (exemplo(Traços, propriedades e composição química das referidas variedades de metal estão de acordo com Requisitos da ASTM (Sociedade Americana de Testes e Suprimentos).
  • Uso de ligas metálicas com resistência decrescente à dezincificação.
  • Uso de materiais com baixa ductilidade.
  • O uso de ligas metálicas com material de conteúdo ferroso aumentou mais do que o especificado nos requisitos relevantes.
  • Composição química imprópria das provisões.

Negócio de Pacote Impróprio, Lidar com & Transporte

Um pacote impróprio, não apropriado para o verdadeiro tipo de kit, a sua fragilidade, e necessidades particulares de transporte, podem desencadear danos, que não serão vistos com a inspecção preliminar que deverá ser feita quando os equipamentos chegarem ao website – um exame visível deverá ser feito para confirmar se ocorreram danos nas ferramentas e fornecimentos durante o transporte – e mesmo nas verificações do website.

Além disso, um tratamento incorrecto pode desencadear uma série de resultados perigosos em equipamentos e suprimentos, apresentando problemas comparáveis aos referidos para um pacote impróprio e também pode ser necessária uma inspecção preliminar.

É bastante compreensível que estes danos se destaquem como a origem de falhas nos métodos, equipamentos e fornecimentos.

Por exemplo, problemas atribuíveis a um tratamento incorrecto podem ser referidos como distorção mecânica dos equipamentos e danos do seu revestimento protector, quer seja ou não galvanização por imersão ou retrato, o que é capaz de levar à corrosão do tecido.

O pacote de equipamentos e suprimentos deve ser apropriado ao tipo de equipamentos e à técnica de transporte e, a qualquer momento, quando justificável, deve até ter um tratamento particular com indicadores, de acordo com ISO (Grupo Mundial para a Normalização) Costumeiro 780-2005 exibindo o cuidado que deve ser tomado quando se lida com o assunto, tal como demonstrado no Determinar 6.

Sinais de embalagem e manuseamento
Determinar 6 – Pacote de acordo e lidando com indicadores

Como analisado acima, um pacote impróprio pode desencadear danos nos equipamentos durante o transporte, no entanto um processo de transporte incorrecto, principalmente no transporte marítimo, especificamente com mar agitado, e no transporte rodoviário, se a estrada puder ser muito dura (embora se tenha identificado que o transporte sob estas circunstâncias desencadeará vibrações e pequenos choques nos pacotes e equipamentos), pode desencadear danos extremos nos equipamentos.

Como consequência destes procedimentos defeituosos (exemplosos pacotes e os equipamentos são descobertos em circunstâncias que não são apropriadas; a má fixação e/ou o bloqueio das ferramentas/pacotes são as questões mais típicas do transporte), os pacotes também podem ser destruídos e choques mecânicos e vibração pode ser amplificada com penalizações que podem ser catastróficas para os equipamentos.

A destruição de enroladores de cabos é um exemplo típico (ver Determinar 7), no entanto danos dentro dos isoladores (fendas) de ferramentas de tensão excessiva (disjuntores, seccionadores, transformadores de instrumentos, isoladores de coluna, e assim por diante) e SF6 fuga em disjuntores e GIS (Comutadores Isolados a Combustível) também pode ser notado.

Enrolador de cabos danificado
Determinar 7 – Bobina de cabo partida

No entanto, a questão dos choques mecânicos e das vibrações é especialmente essencial para os transformadores de energia, principalmente a tensão excessiva e os transformadores de energia nominal excessiva, resultando em falhas catastróficas desses equipamentos.

Choques mecânicos acima 3g (g é a aceleração da gravidad (9.8 m/s2) 3g é a unidade igual a 3 casos a aceleração da gravidade) nos transformadores poderia desencadear danos visíveis e/ou ocultos, parecidos:

  • Distorção geométrica de corda/corpo. Devido ao animado meio movimento, o isolamento entre as curvas pode ser abrupto, infligindo um breve circuito e danos aos enrolamentos mais tarde durante a operação.
  • Falta de tensão de aperto da bobina. Vibrações mecânicas podem desencadear os enrolamentos para perderem o seu stress de aperto, resultando no colapso dos enrolamentos através de falhas eléctricas.
  • Falta de stress de combustível nitrogénio por causa de fugas (transformadores com energia nominal excessiva e para tensões superiores a 123 kV são frequentemente transportados sem o petróleo, estando o tanque cheio de nitrogénio).
  • Danos ao tanque e aos radiadores que protegem o revestimento e o fim, quer sejam ou não simplesmente galvanização a quente ou retrato, resultando em corrosão (ver Determinar 8).
  • Danos dentro dos arbustos (normalmente fissuras exteriores e interiores).
  • Contaminação do óleo.
  • O espaço protegido entre o tanque e a animada metade também pode ser comprometido.
Danos no revestimento protector do tanque do transformador e corrosão
Determinar 8 – Danos no tanque do transformador protegendo o revestimento e a corrosão

Vibrações são acções oscilatórias periódicas iniciadas por provavelmente as mais diversas causas. No transporte não existem vibrações que consistam apenas numa única frequência.

O meio de transporte avançado leva sempre a uma composição de frequências (espectro de frequências) com frequências de pessoas particulares com amplitudes completamente diferentes. As vibrações são capazes de excitar vibrações de ressonância ou co-vibrações (ressonância vibrações são geradas se a frequência pura de um físico coincide com uma frequência da vibração indutora e esta vibração induzida tem uma amplitude suficientemente gigantesca; a frequência pura do físico depende das suas propriedades materiais que se assemelham à massa e ao módulo de elasticidade).

O frequência de ressonância pode estar de tal forma excitado que a destruição do sistema se segue (desastre de ressonância).

Vibração pode causar os seguintes danos:

  • Material gratuito.
  • Endurecimento dos metais.
  • Micro fissuras.

É endossado para fazer uso de influência (ou choque) gravadores durante o transporte dos transformadores para julgar os magnitude de choques mecânicos.

Procurar as questões dos choques mecânicos acima 3g, Verificação SFRA (Sweep Frequency Response Evaluation (SFRA) consiste em medir a impedância dos enrolamentos dos transformadores sobre uma variedade de frequências e avaliar os resultados dessas medições para um conjunto de referência) (Avaliação da Frequência de Resposta de Sweep – ver IEC (Comissão Electrotécnica Mundial) Costumeiro 60076) deve ser levado a cabo em GORDO e SAT e a resultados de cada cheque deve estar em contraste.

Para confirmar se o interior das fendas afectou os arbustos bronzeado δ verificação das medidas (bronzeado δ significa a perdas dieléctricas de um materiais de isolamentoou seja, o seu energia dieléctrica) (ver IEC Costumeiro 60137) deve ser levado a cabo em GORDO e SAT e a resultados de cada cheque deve estar em contraste.

Deve ser famoso que as falhas atribuíveis a fendas internas nos arbustos muitas vezes só acontecem após um período de tempo indefinido após a energização.

Armazenamento inapropriado

Armazenamento inapropriado de equipamentos e suprimentos que é possível procurar nas áreas de armazém dos produtores e empreiteiros, mas adicionalmente nas instalações dos donos das casas, são um primeiro passo para uma rápida deterioração destes itens, um facto incontornável que, em última análise, resultará em falhas que podem ser desastrosas.

As condições frequentes observadas são o armazenamento em circunstâncias para as quais os equipamentos e suprimentos e/ou o respectivo pacote normalmente não estão desenhados e prontos – circunstâncias hostis (temperatura e humidade relativa); armazenamento exterior de artigos que deveriam ser revendedores dentro de casa e que são tópicos para os corretores atmosféricos (luz directa do dia, chuva, neve, etc.); armazenamento exterior de artigos metálicos não protegidos contra a corrosão; equipamentos e fornecimentos sujeitos ao movimento da lama, corretores químicos e diferentes contaminantes; armazenamento desorganizado arriscando impactos mecânicos robustos em diferentes equipamentos ao longo da carga que irá deteriorar o revestimento e acabamento das superfícies; empilhamento inadequado de embalagens, aumentando a hipótese de quedas devastadoras; e assim por diante.

É comum ver painéis e armários eléctricos e de gestão, concebidos para trabalhar dentro de casa, dentro de um ambiente controlado, guardados no exterior e que grau de segurança IP (delineado por IEC Costumeiro 60529) não apropriado para armazenamento no exterior; os equipamentos e ligações destes painéis e armários irão suportar o movimento de ambientes hostis e várias outras variedades de contaminantes.

Corrosão poderia parecer dentro da construção metálica de painéis e armários, mas adicionalmente dentro dos terminais de conexão de equipamentos e blocos de terminais de cabos, que melhorar a resistência de contactoe; que é capaz de resultar em sobreaquecimento dos equipamentos, infligindo a degradação dos energia dieléctrica de isolamento (Energia dieléctrica: capacidade de um materiais de isolamento para resistir ao stress eléctrico com a avaria (kV/mm)) . Por isso, curto-circuitos poderia parecer e uma falha nos equipamentos e mantimentos poderia ser notada.

Além disso, também manter os itens defeituosos contidos no espaço do armazém e nunca reconhecidos como defeituosos e claramente segregados de diferentes itens é uma passo à frente para falhas em equipamentos e suprimentos.

Uma das questões essenciais cruciais relacionadas com o armazenamento inadequado ocorre com cabos de energia e de gestão.

Quando guardado em bobinas ou em pacotes comparáveis, se as extremidades dos cabos não estiverem normalmente protegidas contra a entrada de humidade, água, lama e diferentes contaminantes, o isolamento pode ser quebrado e sofrer uma envelhecimento intempestivoisto significa que há uma ameaça de curto-circuito e consequentemente os cabos estão sujeitos a falhas.

Em Determine 9 está provado uma espécie de cabo protector (neste caso, um boné encolhível) e um cabo não protegido contra a penetração de humidade, água, lama e diferentes contaminantes.

tampa do cabo encolhível (esquerda) e extremidade do cabo desprotegida (direita)
Determinar 9 – Tampa de cabo termoretráctil (esquerda) e acabamento de cabo desprotegido (próprio)

Quando enroladores de cabos estão muito quebrados, e até destruídos, a bainha exterior do cabo perigos adicionalmente para suportar danos, que pode prolongar-se até ao isolamentopermitindo a entrada de humidade, água, lama e diferentes contaminantescom os resultados que foram descritos acima.

Para se manter afastado ou diminuir o dano dos enroladores de cabos, quando guardados fora do o chão deve ser cansativo, uniforme e ter um sistema de drenagem muito bom; os enroladores não devem ser virados (até que seja completamente crucial e neste caso devem ser virados no mesmo curso de desenrolamento do cabo), normalmente devem manter as traves de segurança até que o cabo seja montado.

Erros e Deficiências de Montagem de Equipamentos e Consumíveis

Erros e deficiências durante a montagem e montagem incorrecta de equipamentos e mantimentos acontecem com bastante mais regularidade do que era suposto acontecer e são uma razão essencial por detrás de falhas nos equipamentos e mantimentos. No entanto, a maioria destes erros deve ser evitada com procedimentos correctos de montagem e gestão e supervisão do trabalho.

A perícia demonstra que este caso representa as principais causas de falhas (esta verdade justifica o grande tamanho deste capítulo); as causas mais importantes para erros de montagem de equipamentos e suprimentos e deficiências dos equipamentos e suprimentos são:

  • Não existência ou não utilização de documentos actualizados e acreditados («Bom/Autorizado para Execução”).
  • Não existem manuais de instalação oferecidos pelo produtor de equipamentos e mesmo presentes eles não são tipicamente adoptados.
  • Grupos de trabalho não organizados de acordo com o carácter e o tipo de trabalho a ser realizado.
  • Pessoal não certificado e educado e/ou não incapaz de cumprir o seu dever.
  • Procedimentos de montagem defeituosos e uso de instrumentos inadequados.
  • Má preparação para o trabalho.
  • Utilização de equipamento de erecção inapropriado.
  • Falta de cuidado com os equipamentos já colocados (ver Determinar 10 cabos de terra destruídos por falta de cuidado).
  • Falta ou má supervisão e gestão do trabalho realizado.
Cabo de terra destruído por falta de cuidado
Determinar 10 – Cabo de terra destruído por falta de cuidado

Erros em cablagem e cablagem de painéis e armários de energia e gestão são um cenário tranquilo e regular que pode estar certo com gestão do trabalho realizado ou durante GORDO e SAT (ver Capítulo 9). Se gestão de trabalho, GORDO e SAT são não realizadoum erro de cablagem fácil pode desencadear protecções e/ou disjuntores de disparo de comando, segurança distante ou viagem distante para não actuar, cenário que pode resultar na falha e destruição total do sistema.

Um cenário análogo poderia acontecer se fusão de fibras de cabos de fibra óptica é incorrectamente executado ou alcançado por pessoal não certificado. Neste cenário comunicação entre subestações ou entre uma subestação e o coração de gestão da comunidade pode falhar. Por baixo destas circunstâncias operações de comutação à distância, essencial para garantir a solidez da comunidade ou para isolar uma peça defeituosa, não vai acontecer, infligindo os equipamentos para falhar.

Um exemplo típico de uso de instrumentos inapropriados é operação de crimpagem de junção de cabos conectores e terminais e C conectores (para cabo de terra de cobre nú), quando um dispositivo de crimpagem mecânico, pneumático ou hidráulico devidamente calibrado apropriado para o terminal a ser frisado não deve ser usado e o matriz empregado é não adequado com o parte cruzada do cabo e/ou o tamanho do conector.

Determine 11 exibe uma instância de crimpagem incorrecta de C conector, o dispositivo de engaste e a matriz do local inadequado tinham sido usados e a correcção conseguida pelo empreiteiro utilizando um dispositivo de engaste suficiente. No entanto, é possível ver que a matriz usada para a correcção não era apropriada para a dimensão do conector.

Crimpagem incorrecta de um conector C (esquerda) e subsequente correcção (direita)
Determinar 11 – Crimpagem incorrecta de um conector C (esquerda) e posterior correcção (própria)

Um outro erro típico de acções de erecção que pode ser responsável por falhas no equipamento é o aperto impróprio de parafusos e porcas de barramento, conectores de catenária e equipamento (isoladores de ferro de engomar, pinças, etc.) e equipamentos (Ver Capítulo 5 para os resultados do aperto inadequado dos parafusos das porcas das formigas nos transformadores e ferramentas rotativas) ou parafusos, porcas e parafusos de trapo de construções metálicas, fazendo uso de torque inadequado ou extremo e nunca utilizando um apropriado e calibrado chave de torque.

Torque extremo irá desencadear tensão mecânica em suprimentos, o que pode resultar no seu destruição Torque inadequado poderia resultar em parafusos e porcas para desatar a resistência de contacto pode melhorar, infligindo um aquecimento extremo, um menor isolamento de segurança a distância entre condutores e entre condutores e piso pode acontecer e curto-circuito poderia acontecer e as construções metálicas poderiam colapsopor conta de stress electromecânico.

Se a situação de fundações de betão do kit de assistência metálica em subestações e torres e postes de tensão aérea é terminado de forma imprópria, não utilizando ferramentas topográficaso consequente desalinhamento das construções metálicas pode ser tópico terminais de condutores e equipamentos de tensão excessiva para mais stress mecânicoo que pode desencadear um desconto dos seus potência mecânica e irá ocorrer a destruição destes fornecimentos e falhas de equipamento.

Em site de trabalho uma hipótese de corrigir condições comparáveis é aumentar os buracos das flanges para atenuar o desalinhamento, no entanto esta operação irá destruir o revestimento protector galvanizado do mundo da construção metálica através dos buracos. Se um spray galvanizado frio não deve ser utilizado instantaneamente após a operação de ampliação dos buracos a corrosão vai acontecer e uma falha nos equipamentos é uma consequência certa.

Exemplos típicos de uso de equipamento de montagem inapropriado são cachimbo de metal ou ferro para a segurança de presente alternado cabos de um só núcleo e fixação grampos de metal ou ferro para o mesmo tipo de cabos. Como metal e ferro são materiais magnéticos e condutores correntes de Foucault (Correntes parasitas ou Correntes de Foucault são correntes induzidas em fontes condutoras quando sujeitas a um fluxo magnético variável) fluirão para dentro destes equipamentos infligindo aquecimento (por Impacto Joule) e cabos podem estar sujeitos a sobreaquecimento, cujas penalidades e o efeito em falhas de equipamento já tinham sido analisadas.

Um outro erro de erecção que requer uma consideração particular é ligação sequência de peças de motores de accionamento do mecanismo de trabalho (aberto/fechado) de isoladores e interruptores de voltagem excessiva. A ligação defeituosa irá despoletar a motor para rodar da forma errada que deveriao que pode prejudicar contactos mais importantes e mecanismo de trabalho e mesmo ajudar os isoladores.

Quando soldadura exotérmica é usado para ligações à rede terrestre (utilizando um equipamento correcto) o trabalho deve ser realizado por pessoal especializado e deve ser assegurado que a variedade de soldadura exotérmica conseguida com cada míldio não vai exceder as indicações do produtor.

Se estas circunstâncias não fossem cumpridas as a resistência da rede terrestre e as tensões de passo e contacto podem ser postas em riscoa segurança dos indivíduos para choque eléctrico também pode ser comprometida e o curto-circuito de fase para a terra presente vai mudar o que pode parar o o funcionamento correcto das protecções de sobrecorrente terrestreo cenário que irá resultar em falhas nos métodos e equipamentos eléctricos.

Para completar este capítulo, o foco pode ser dirigido ao conjunto de condutores de estirpes aéreas e cabos isolados que colocam e puxam e à execução de juntas e terminações.

A principal desvantagem para a criação de condutores de estirpes aéreas, para além de fixação deficienteé a tensão mecânica em que os condutores são tópicos em postes de linhase esse stress é próximo ou aumentado do que potência tênsil dos materiais dos condutores, pode acontecer uma falha.

Além disso, a puxar solo duro, com pedras, detritos e diferentes partes abrasivas (vegetação, raízes de árvores, e assim por diante.) e nunca utilizando equipamentos específicos correctos (ver erros de montagem de cabos isolados) poderia prejudicar os condutores por quebrar ou ferir entre os fios.

Com cabos isoladosos erros de erecção que podem resultar em falhas são maiores; a maioria das deficiências típicas estão listadas por baixo:

  • Utilização de conectores e terminais que são não é suficiente para o tipo de cabo (dimensão e materiais dos condutorescobre ou alumínio) e terminais de equipamentos (dimensão e materiaiscobre ou alumínio) – conectores e terminais bi-metálicos também podem ser necessários para se manterem afastados da corrosão devido à junção de dois metais completamente diferentes.
  • Aperto deficiente dos conectores e terminais, crescendo resistência de contacto e o sobreaquecimento do cabo.
  • Puxar cabos se não for atingido correctamente pode provocar danos na bainha exterior dos cabos e o isolamento e os condutores podem suportar um alongamento final, este principal, em última análise, a uma falha dentro do cabo.

Puxar o stress deve estar de acordo com o tipo de cabo e as instruções do produtor devem ser adoptadas. É endossado que para cabos não blindados a puxar o stress não deve exceder 5 kg/mm2 para condutores de cobre e 3 kg/mm2 para condutores de alumínio.

  • A maioria dos raios de curvas indicado pelos produtores são excididosa tua mão está a fazer uma grande parte do teu trabalho, infligindo degradação do isolamento e deformação dos condutores (ver Determinar 12).
  • A segurança mecânica do cabo não deve ser aplicada e os cabos também podem ser colocados perto de fontes de calor, sem qualquer tipo de segurança.
  • Para cabos subterrâneos em valas, estes normalmente não são construídos de acordo com as boas práticas (a parte de trás não regularizada e livre de pedras e detritos diferentes, a espessura do colchão de areia não deve estar de acordo com os Requisitos, fita de aviso e protecção de azulejos não colocados, solo incorrectamente compactado, e assim por diante.). Todos estes erros podem provocar danos dentro da bainha exterior e mais tarde dentro do isolamento e dos condutores.
  • Quando os cabos são colocados nos canos, a variedade de cabos dentro do cano não permitir que o ar flua para o que provoca o sobreaquecimento dos cabos (os resultados deste sobreaquecimento já foram analisados).

Adicionalmente lubrificantes acreditados de tipo adequado com casaco de cabo para reduzir a tensão de tracção normalmente não são usados.

  • O distância entre cabos dentro do bandeja de cabos idêntica não obedece a directrizes generalizadas, portanto o ar não vai fluir correctamente e os cabos estão sujeitos a sobreaquecimento.
  • Os cabos normalmente não são segregados por grau de voltagem e desempenho (caso dos cabos de gestão e instrumentação) e electromagnético interferência pode existir.
  • O armadura e/ou ecrã metálico são não ligada à terra.
  • Para corridas longas normalmente não são usados equipamentos particulares (guincho para puxar cabos (acionamento mecânico), alimentadores de cabos para enroladores e rolos de cabos).
Raio de curvatura excessivo de um cabo de terra
Determinar 12 – Raio de curvatura extremo de um cabo de terra

Um outro lado negativo que cabos de média e excessiva tensão e que vai contribuir para os fracassos é articulações e terminaçõesque são referidos como os factores da semana dos cabos e, se não forem correctamente executados, conduzirão mais tarde a falhas. Esta desvantagem é amplificada quando cnuma posição articulada e terminações normalmente não são colocados por pessoal educado, habilitado e especializado, consciente de excelentes práticas de segurança envolvendo ferramentas eléctricas de tensão excessiva, e quando o e as direcções as especificações dos produtores normalmente não são adoptadas.

Principais componentes para deficiências dentro da execução de as junções de cabos são terminações muitas vezes são:

  • Falha em cortar uma porção de cabo depois de puxar para garantir um acabamento sem danos.
  • Má preparação do cabo, especificamente do núcleo dos condutores (limpeza e desengorduramento).
  • Uso de abrasivos e peças de vestuário emery com grãos ou partículas condutoras (as partículas condutoras podem ser incorporadas no isolamento do cabo) e solventes não apropriados deixando resíduos; o uso extremo de solventes também pode ser indesejável (quantidades extremas de solvente podem saturar as camadas semi-condutoras e torná-las não condutoras, parando-as para satisfazer o seu desempenho).
  • Corte completo do isolamento, que não se vai manter afastado de danos dentro dos fios dos condutores.
  • Restauração defeituosa do isolamento, utilizando materiais e estratégias não apropriadas (com o calor as juntas encolhem e as terminações o calor extremo pode destruir o cabo).
  • Pobre aperto das articulações e terminações, permitindo a penetração de humidade, água, lama e diferentes contaminantes dentro dos cabos.
  • Camadas semi-condutoras e a resíduos resultantes não completamente eliminado.
  • Mau corte, preparação, continuidade e ligação à terra do visor metálico e da armadura, se presente (os cabos de média e excessiva tensão estão sempre protegidos).
  • Não uso de unidades de gestão de stressque actuam é para reduzir a área eléctrica ao nível da terminação da exibição (quando a defesa de isolamento está longe de um cabo, os gradientes excessivos de potencial concentram-se no nível de corte e é crucial gerir o stress dieléctrico com origem no nível de terminação do ecrãgestão do stress eléctrico).
  • Utilização de instrumentos impróprios.

Será famoso que os resultados de alguns dos erros acima referidos só acontece após um período de tempo indefinido após a energização.

FAT & SAT Não Executado ou Executado Impropriamente

Foi analisado acima que o curso de fabrico incorrecto e o uso de fornecimentos não apropriados poderia desencadear a falta de características de equipamentos e falhas, o que também pode ser uma consequência de:

  • Pacote e transporte impróprios e armazenamento impróprio.
  • Montagem incorrecta de equipamentos e mantimentos.

Anterior a ser expedito para o site equipamentos devem ser submetidos a GORDOa nossa equipa de produção, nas instalações do produtor ou num laboratório autorizado para confirmar o desempenho eléctrico e mecânico dos equipamentos e para provar qualquer defeito de fabrico e se os fornecimentos utilizados cumprem as especificações e os requisitos relevantes.

Se estas verificações normalmente não forem efectuadas ou se forem incorrectas, por exemplo, a utilização de equipamentos de verificação não calibrados ou com os respectivos certificados não legítimos, e se não forem testemunhadas pelo consultor Proprietário não será possível estabelecer quaisquer desvios aos Requisitos e especificações e/ou utilização de fornecimentos defeituosos.

Este caso normalmente resultará numa falha dentro das ferramentas dentro de um intervalo não identificado após a energização.

É muito importante ter em conta que GORDO e os Requisitos relevantes devem ser claramente delineados durante toda a fase de design/ordenação e que as suas histórias deve acompanha sempre as ferramentas quando é expedito.

SAT (Dentro da ausência de diferentes requisitos relacionados com o uso NETA Costumeiro ATS-2009 (Afiliação InterNacional de Testes Eléctricos (EUA)) para delinear o tipo de verificações a efectuar em cada tipo de kit e os padrões de aceitação) são efectuados após a instalação estar completa e prévia à energização, para confirmar se a embalagem, o transporte e a montagem dos equipamentos não desencadearam quaisquer resultados perigosos para as ferramentas e no caso de estas cumprirem as especificações e os pedidos da instalação.

As histórias do SAT devem estar em contraste com as histórias do FATcom o objectivo de confirmar qualquer desvio dos valores medidos ao longo GORDO.

Assim que, mais uma vez, se estas verificações não forem normalmente efectuadas ou se forem incorrectas e se não forem testemunhadas pelo consultor Proprietário, existe uma ameaça de falha do kit.

Permita-nos dar uma vista de olhos ao seguinte exemplo, semelhante a um cenário real:

Os arbustos de 110 kV de dois transformadores de energia 110/22 kV, 25/30 MVA (ONAN/ONAF) (ONAN/ONAF remete para a metodologia de arrefecimento dos transformadores ONAN puro de óleo, puro de ar ONAF puro de óleo, pressionado a ar) tinham sido transportados para o website por mar, separados dos transformadores. Quando os arbustos chegaram ao website e antes da instalação dentro dos transformadores bronzeado δ foi medido e os resultados em contraste com a IEC Costumeiro 60137 padrões de aceitação e com resultados FAT (que tinham sido correctamente realizados e testemunhados pelo consultor proprietário) 5 do seis 110 kV bushings falhou o bronzeado δ cheque.

Investigações realizadas no website e depois na fábrica produtora apresentam que o empacotamento impróprio e a manipulação da humidade permitida infectam os arbustos.

Uso impróprio de Equipamentos

Independentemente de todas as precauções para te manteres afastado de erros e deficiências em quaisquer fases de um desafio e acima referidas (Capítulos 4 a 9), os métodos e equipamentos eléctricos podem falhar se o Proprietário e o seu pessoal fizerem asneira durante a utilização e funcionamento da fábrica e dos respectivos equipamentos.

Entre as muitas causas de uso indevido de equipamentos deve ser referido:

  • Procedimentos operacionais de métodos e equipamentos não claramente delineados.
  • Ausência de pacotes de troca e desligamento de emergência.
  • Documentação actualizada e acreditada e manuais de operação de equipamentos não existentes.
  • Violação das instruções dos produtores.
  • Falta de pacotes de segurança de encravamento.
  • Tarefas não claramente delineadas.
  • Operadores não certificados e instruídos e pessoal diferente.
  • Má informação sobre métodos e equipamentos e mau treino de pessoal.
  • Equipamento escolhido/apropriado.
  • Utilização de equipamentos com circunstâncias envolventes, realizar e ciclos de obrigações completamente diferentes destes inicialmente previstos.
  • Modificações das instalações e equipamentos de trabalho, com o refrescamento do pessoal.
  • Ajustes/adições de carga, ajustes de circuito e alteração das circunstâncias de tensão sem qualquer re-desenho de configuração.

Ajustes/adições de carga e ajustes de circuito sem modificações nos traços do equipamento e criação de ferramentas mais recentes e sem um exame detalhado do cenário novinho em folha poderia resultar num melhoria das correntes de serviçoinfligindo a eterna sobrecargas em cabos, barramentos e transformadoreso que significa sobreaquecimento eterno destes equipamentos, e desadequação das correntes nominais dos equipamentos de comutação com novas correntes de serviço Questão energética também pode baixar isto, o que significa melhorar as correntes de serviço.

Se forem adicionados novos transformadores e se estes forem destinados a funcionar em paralelo com os transformadores actuais as correntes de curto-circuito vão melhoraristo significa que capacidade de interrupção dos disjuntores actuais também poderia ser diminuir do que as novíssimas correntes de curto-circuito. Se os disjuntores normalmente não forem mudados, é antecipada a ocorrência de uma falha do sistema.

Além disso, deve ser tomado em consideração o cenário dos transformadores actuais e dos novos que pretendem trabalhar em paralelo: nestas circunstâncias, todos os transformadores devem ser idêntico queda de voltagem de impedância e a grupo vectorial idêntico ou seja que os transformadores têm a mesma resistência interior e que não há mudança parcial entre as tensões.

Quando os transformadores que trabalham em paralelo não teriam o grupo vectorial idêntico há um circulação presente entre os transformadores que pode desencadear o sobreaquecimento.

Se os transformadores não tivessem o queda de voltagem de impedância idênticaque flui em cada transformador, o que significa que o a carga não vai ser partilhada igualmente entre os transformadorese o(s) transformador(es) que tem(m) um diminuir a resistência irá ajudar um carga aumentada do que o(s) oposto(s), por isso um aumento do presente irá mover-se pelo(s) transformador(es) com diminuir a resistência Estes transformadores podem, portanto, ter uma sobrecarga eterna.

Impropriedade ou Falta de Manutenção

É bastante compreensível que se um programa comum de manutenção preventiva não existe a hipótese de fracasso de uma montagem pode ser muito excessiva.

No entanto, mesmo com tal programa, a hipótese de falha permanece excessiva se o programa de manutenção preventiva não for adequadamente estabelecido e se uma série das condições descritas abaixo acontecerem:

  • Acções de manutenção, procedimentos, rotinas e tarefas normalmente não estão claramente delineados.
  • Acções de manutenção não programadas de acordo com o tipo, o ciclo de obrigação e as circunstâncias de negociação de equipamentos e mantimentos.
  • Não existência de documentação actualizada, parecida com «como construído» desenhos e manuais de manutenção de equipamentos.
  • Pessoal não certificado e educado.
  • Uso de instrumentos impróprios e equipamentos de verificação.
  • Os controlos a efectuar para a análise dos equipamentos em pé normalmente não estão delineados.
  • Utilização de componentes de reserva completamente diferentes destes benéficos por parte dos produtores.
  • Não existência de dados de manutenção anteriores, descrevendo os problemas descobertos.

Procedimentos & Verificações para Detectar Causas de Falhas

Cada vez que falhas em equipamentos e suprimentos acontecem, uma investigação deve ser feita com o objectivo de descobrir as explicações dessa falha, observar o estado de equipamentos e suprimentos comparáveis e prevenir falhas futuras.

Além de inspecção visível de ferramentas ou materiais falhados, ou seja obrigatórioe conjunto de toda a informação sobre as ferramentas ou materiais (características, produtor, especificação do design, especificação do produtor, circunstâncias de armazenamento, procedimentos de montagem, e assim por diante) verificações do website e laboratorial verificações (Laboratório deve ser imparcial e autorizado) será levado a cabo por um grupo multidisciplinar de especialistas.

Todos resultados relacionados de inspecção e verificações deve ser registado, mencionado e analisado e um relatório deve ser produzido; isto relatório poderia encarnar sugestões se é pensado em pertinente.

Algumas verificações típicas para detectar causas de falhas são:

  • Verificação da tracção.
  • Avaliação das propriedades mecânicas e das dimensões.
  • Avaliação das características eléctricas (energia dieléctrica, resistência, etc.).
  • Verificação da dureza.
  • Exame microscópico (microscopia óptica ou digital de varrimento).
  • Avaliação metalográfica.
  • Avaliação micrográfica.
  • Avaliação química (cor, pH, composição, e assim por diante).
  • Verificação de aderência.
  • Verificação da corrosão.
  • Verificação da mercadoria corrosão.
  • Medição da espessura do revestimento de zinco.
  • Verificação da soldadura (Ver Capítulo 5) (líquidos ultra-sónicos ou penetrantes – muito menos benéficos).

Medidas para Manteres-te Longe de Falhas de Equipamentos e Suprimentos

Tendo em consideração o que foi definido nos capítulos anteriores, é possível concluir que o Proprietário deve tomar todas as precauções para se manter afastado de falhas nos equipamentos e fornecimentos devido às causas acima descritas, implementando um conjunto de acções e procedimentos, para além das acções acima referidas:

1) Designa um grupo de técnicos qualificados para:

  1. Acumula rigorosamente toda a informação relacionada necessária para o design da planta.
  2. Avaliar o design de alta qualidade e conformidade.
  3. Monitora e gere as fases de fabrico e montagem.
  4. Testemunha o FAT e o SAT.

2) Estabelece directrizes claras dentro da empresa para o agrupamento, tratamento e transporte de equipamentos e fornecimentos e impõe-los aos fabricantes, transportadores e empreiteiros.

3) Estabelece directrizes e procedimentos restritivos dentro da empresa para o armazenamento de fornecimentos e equipamentos e impõe-los aos produtores (para um contrato seleccionado) e empreiteiros.

4) Utiliza apenas produtores, portadores e empreiteiros certificados e autorizados

5) Recruta um trabalhador instruído para a operação da instalação e cai novamente sobre um conhecimento para rever e desenhar qualquer eventual modificação da planta.

Prepara um manual de operações e um programa de comutação rigorosa e descreve claramente as tarefas.

6) Cai novamente sobre um conhecimento que permite rever e desenhar qualquer eventual modificação da planta.

7) Estabelece um programa e procedimentos diários de manutenção preventiva, preservando os dados de todas as acções de manutenção e reparação.

Usa pessoal certificado e instruído e instrumentos apropriados e ferramentas de verificação.

8) Se uso crucial equipamentos on-line estratégias de medição (Ênfase de estratégias de medição on-line está em acumular informação pertinente sobre a integridade dos equipamentos e nunca sobre a interpretação do conhecimento), especificamente para transformadores.

9) Dentro da ausência de diferentes Requisitos de utilização relacionados Requisitos NETA MTS-2007 e ATS-2009 para delinear a periodicidade do programa de manutenção e o tipo de verificações a efectuar em cada tipo de kit e os padrões de aceitação.

10) Estabelece um plano de segurança para a operação e a manutenção (preventiva e correctiva) da planta.

11) Preserva os dados de todas as falhas e suas causas, para além das inspecções e verificações realizadas no âmbito da investigação.

Não te esqueças que o que é acessível acaba por se tornar muito caro.

Uma medida para evitar falhas em equipamentos essenciais, assemelhando-se a transformadores de energia, tensões aéreas, moinhos e motores de média voltagem, e fornecimentos Deve ser referido {que os equipamentos e métodos eléctricos}, especificamente tensões aéreas, barramentos de subestações e transformadores de energia requerem um Infravermelhos (RI) termografiaque é um sem contacto e não destrutivo método para detectar problemas nos métodos eléctricos.

Padrões térmicos irregulares ou surpreendentes podem ser indicativos de um problema com as ferramentas – problemas que podem resultar numa avaria ou falha, ou desencadear um coração.

Geralmente Avaliação por infravermelhos está terminado a cada 2 ou 3 anosenquanto as ferramentas são energizado e sob carga completase possível, no entanto circunstâncias particulares de funcionamento e ambiente poderia requerer a realização de RI anualmente.

Avaliação de RI também deve ser efectuado após qualquer manutenção ou teste para ver se as ligações que foram danificadas foram refeitas correctamente. Além disso, se RI está terminado durante produção de calor na fábricaos resultados podem ser utilizados como linha de base para uma posterior comparabilidade.

Observa: Este artigo está registado no IGAC (Portugal) sob a quantidade 4239/2023 e guardado pelos direitos de autor

Lee:  los 10 mejores cargadores de vallas eléctricas para defender a tu rebaño
Javired
Javired

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *